A 5ª Onda

A_5_ONDA__1372704277B

No Aeroporto Internacional Pinto Martins, primeiro local no que começava minha viagem para voltar a casa, comprei um livro em português (é claro), “A 5ª Onda”, de Rick Yancey.

É um livro de ficção científica, exatamente o que queria, perfeito para começar 2014: tentando abir a minha mente com algo de alienígenas e a humanidade em perigo…sabe, esse tipo de coisa.

Comecei a leitura do meu novo livro enquanto esperava na sala de abordagem o avião que me levaria até São Paulo, contineu num hotel em Guarulhos e li ainda mais no voo São Paulo-Bogotá.

Tá legal, chega de detalhes da minha viagem, vamos falar sobre o livro.

As primeiras palavras são: “Alienígenas são tolos”. Ao lê-las, pensei que talvez o autor fosse um louco que pensasse o tempo tudo em alienígenas e esse tipo de coisas, e que escreve livros tentando insultá-los, provocá-los, desejoso de ser raptado por um deles embora fosse só para ser machucado.

Mas não.

Os alienígenas que nós, os humanos, acostumamos imaginar, são besteira, bobagem, apenas uma prova irrefutável de nosso incansável instinto de supervivência. Discos voadores, homenzinhos verdes, aranhas metálicas, canhões láser…besteira, tudo besteira.

Os alienígenas de Rick Yancey, ainda sendo alienígenas humanos (pelo fato de terem sido imaginados por um humano), não se parecem com…pois, com isso mesmo, alienígenas humanos.

Não vou contar nada explícito sobre eles, pois a idea desta publicação não é cheiar a Internet de mais spoilers, apenas vou contar parte das coisas que senti no meu proceso de leitura.

Imaginem um mundo no que cada vez fica menos esperança para a humanidade, imaginem-se, vocês mesmos, sofrendo dia a dia, vendo a morte se passear pelo seu nariz, levando tudo o que vocês amam; imaginem um mundo escuro, sem tecnologia, um mundo silencioso e vazio; tentem imaginar, se puderem, um mundo onde humanos são como baratas, mas ainda pior, pois realmente não podem confiar umas nas outras.

Um mundo realista com o fato de uma verdadeira invasão alienígena, onde simplesmente não há esperança nenhuma para a humanidade.

Pois esse é o mundo de A 5ª Onda.

Eu simplesmente não pude parar de ler, a cada página, a cada capítulo, ficava mais ansioso e interesado no que iria acontecer depois, mais tenso. Foram um pouco mais de trezentas páginas cheias de confusão e análise, de pensar no que tinha acabado de acontecer e se dizer “mas isso não faz sentido!”. Amo esse tipo de livro.

A 5ª Onda é um livro narrado desde a perspectiva dos seus protagonistas, o que o faz ainda mais interesante, pois exatamente graças a esse fato, o leitor desenvolve um complexo de ideas tão confusas e contraditorias quanto as dos protagonistas. Você vive a emoção junto de Cassie, Zumbi, Sam…

Eu gosto muito de escrever ficção científica, e acostumo imaginar muitas espécies e raças, características relevantes, morfologia, inteligência, linguagem, esse tipo de coisa…mas depois de A 5ª Onda, me sinto como uma criança jogando a imaginar coisas parecidas com ela.

Eu imagino alienígenas com forma humana, dois braços, duas pernas, uma cabeza, dois olhos, tudo simétrico…besteira! Nós não podemos simplesmente imaginar alienígenas porque nós somos humanos, e qualquer tentaiva estará poluida por rasgos de humanidade. Mas, ainda assim, Rick Yancey fez um grande trabalho, acho que se deu muito bem num processo criativo no que teve que perder a sua humanidade (não há outra maneira de imaginar alienígenas tão perfeitamente).

Nota: A 5ª Onda é o primeiro livro de uma trilogia (bom, não tenho certeza de que vai ser trilogia, mas estou certo de que o próximo livro “The Infinite Sea”, está prestes a ser publicado). O livro acaba com um sabor um pouco amargo, mas tudo bem, ainda faltam mais para saber qual será realmente o fim da humanidade (o de sejá la o que vai ser).

Santiago Restrepo Castillo


About this entry